Eu te daria uma praia

Com uma grande varanda na frente, daquelas que você tanta ama, onde pudesse ficar, vendo qualquer tempestade passar. Como sempre passa. Em cada amanhecer você teria sua própria orla para caminhar, o quanto quisesse, o quanto precisasse, até cansar, até exaustar tudo aquilo que precise ser esgotado. E renasceria todos os dias a beira mar, com o vento lhe bagunçando o cabelo, levando qualquer poeira, trazendo qualquer paz; enquanto uiva em seus ouvidos que tudo é tão pequeno e frágil. Você voltaria a pintar e colocaríamos cavaletes na areia para capturar o entardecer. Ao anoitecer, vamos tomar vinho junto ao dedilhado de um violão e a percussão das ondas. E o dia que está por vir já não parecerá uma outra batalha, mas sim uma outra possibilidade de ser feliz. Diariamente o oceano e sua imensidão afogaria nossa pequenez, mostrando que o limite do horizonte é só um ponto de vista. Ainda temos tantos mares a velejar…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s