Mosaico

Minha arte é dor. Toda dor
Há uma dor irresoluta em minha estadia
Uma dor perpétua.
Acordar dói. Amanhecer dói.
Assim como entardecer, anoitecer. Adormecer.
Respirar. Pensar. Estar.
Viver não é natural. É artificial.
Inexorável
Eu preciso esquecer.
Esquecer-me
Deixar de ser
Verter-me
Só na criação posso desfazer
Refazer-me
Eu preciso de beleza para superar minha feiura.
Preciso do nascimento para sobreviver a minha morte
Eu não consigo respirar.
A arte é meu fôlego. Meu pulmão.
Minha reconstituição.
Meus cacos perfuram-me
Meus estilhaços
Meu sangue.
Minha enchente
Sou partes avulsas
Independentes
Perdidas
Irrecuperáveis
Só a poesia
Consola
Minha sina
Acalma meus demônios
Aconchega meu inferno
Aviva meus torpores
Apazígua
Delírios
Deletérios
Suicídios
Sadismo
Só a arte
Perdoa
O pecado de viver.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s