Franqueza sobre Fraqueza

– Sobre o meu tudo errado

Nós últimos dois anos prestei vestibular, nos últimos dois anos reprovei no vestibular. Em ambos os anos eu não estudei para a primeira fase, a prova de conteúdo do ensino médio, apenas estudei para a prova específica. Em ambos os anos eu coloquei o trabalho, equivocadamente, como prioridade. Estava prestando música e o seu estudo já era demasiado, conclui ser inviável, trabalhando, me preparar para a prova de ensino médio também. Em ambos os anos eu abandonei o trabalho após três meses e mesmo assim, abstrai o estudo da prova geral.

Em 2014 tudo deu errado. Eu me mudei para Curitiba porque pensava que iria certamente passar no vestibular daquele ano, fiquei em quarto lugar na lista de chamada complementar. Acabei não sendo chamada. Eu me mudei para Curitiba também porque planejava trabalhar aqui se acaso não passasse. Arrumei um excelente emprego na área que queria e a qual tinha me preparado para atuar. E pedi demissão após o período de experiência porque estava enlouquecendo; aquilo era tudo o que eu menos queria fazer na vida, e o trabalho, obviamente, muito me atrapalhava no estudo: minha verdadeira prioridade.

Em 2014 eu planejava dançar aqui – dançar é mais que uma paixão é uma sanidade. No primeiro semestre posterguei isso devido às atribulações da mudança, no segundo, quando comecei a fazer aulas, sofri uma grave torção no pé que me impossibilitou de dançar. Em 2014 planejei estudar com afinco piano, violão clássico e trabalhar com afinco em minhas composições. Nada disso sucedeu. Ou melhor, nada disso foi feito. Meu contato com a música fora o mínimo. Planejei pintar com frequência, e estou há 3 anos em cima do mesmo quadro. Planejei estudar inglês, espanhol e se conseguisse francês. Nem um muito menos os três. E assim, derrotada por mim, fiquei. E estou.

Há tanta coisa a ser feita, tanto estilhaço há ser concertado, tanto rasgo a ser fechado, que eu nem sei por onde começar. O desanimo torna-se uma corrente, a sensação de impotência uma rocha. É difícil lidar com o vazio e suas possibilidades. É difícil cultivar possibilidades no vazio. Mas não há outro jeito. Dói muito a consciência da auto-sabotagem, da perniciosidade mantida, do erro alimentado pelas mãos. É sempre mais fácil e confortável ignorar, não encarar, deixar para lá. Ou se vitimar. Admitir a relapsa e sua consequência dói. Demais. Mas não a outro caminho para a mudança do que a consciência de sua necessidade.

Meu grande ganho em 2014 foi um despertar; uma nova forma de ver a vida e principalmente a mim. Acredito com veemência que a derrota traga incomparável possibilidade de crescimento. Enxergar a forma errada é o que possibilita alcançar a forma certa. É neste ponto que o erro não pode ser designado de erro, pois ele foi a semente do acerto. Agora o que preciso é da ação; é plantar esta semente.

Neste 2015 estou começando aos poucos, com aqueles olhos doídos ao ver a luz depois de tanto dormir, com aquele corpo ferido depois de tanto cair e aquele cansaço inevitável de tudo. Já fui ver o cursinho que prontamente entrarei e que começa final de fevereiro. Já fui ver as aulas de ballet que farei e que começam semana que vem. Estou feliz por isso. Estou terminando de pintar aquele quadro lá e já fazendo um cronograma sobre tudo o que quero – desesperadamente – me dedicar. O que não é programado é esquecido.

E neste ano, definitivamente, não irei mais trabalhar. É difícil, muito difícil, aos 26 anos ser sustentada pelos pais, sempre vi isso como algo errado e também vergonhoso. Hoje, vejo isso como um privilégio. Privilégio ao qual preciso fazer jus. Se não fosse por esta ajuda – ajuda que vem de bom grado e sem comprometer o bem estar deles – eu sofridamente teria condições de me preparar para uma universidade pública, e posteriormente, de me preparar com afinco para seguir a profissão escolhida. É algo para agradecer, não para se envergonhar.

2015 será um desafio, porque mudar é o maior desafio de nós, viciosos e preguiçosos humanos. Fazer da minha fraqueza fortaleza é a minha meta para este ano, para este presente. Para esta vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s