O que sobrou

Ela não é mais ela
Quando acorda na cama vazia
E senta na mesa sozinha
Café para uma pessoa só
Quando limpa cada cômodo
E vê sua vida encobrida de pó
Imóveis porta-retratos.

Ela não é mais ela
Quando bate meio-dia
E já fez tudo o que podia
Agora é sentar e esperar
O dia acabar
E com sorte
Alguma visita chegar.

Nada mais interessa
Nada mais faz sentido
Depois de tantas mortes
A vida é um cemitério
O dia e o seu passar
Um limbo.

Eu estou esperando, meu bem
O tempo passar
A minha hora chegar
Para quem eu amo encontrar
Desculpa pelo que sou
É o que sobrou.

É que a nossa vida costuma morrer
Antes de nós.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s