2: Ir

Confesso que estou com medo do clima. E da língua. E da solidão também.

Confesso que não sei mais fazer mala só de ida. Estou acostumada com a segurança de caixas grandes de mudança, daquelas montáveis que cabem muita coisa, qualquer coisa, a vida toda parece caber ali, embrulhada em papel bolha, com toda a sua fragilidade protegida.

Digito no Google: Como se vestir na neve. Rio de mim mesma. Quanta ansiedade. Digito no Google: Montreal em dezembro. E sinto medo. Um tipo específico de medo. Desolamento. Como quando criança, quando entrava em um lugar desconhecido e, metida como era, saia correndo na frente de todo mundo, até me sentir perdida em um mar de rostos. Aí eu sentava e começava a chorar, tão forte que rapidamente meus pais me encontravam. Mas e agora, quando me sentir perdida em um imensidão branca e desconhecida? Ontem mesmo li algo parecido em um livro de Caio F. Abreu: “Não posso sentir medo. Repetia. Não posso. Porque só tenho a mim.” Medo é chamado.

Coragem. O que é coragem? É defesa? É ímpeto? Neste meu caso, talvez seja buscar o que se quer e reconhecer o que se tem. Porque toda possibilidade é uma dependência de esforços com oportunidades. É pensando assim que surge uma luz que me acalma. Uma visão. Pergunto-me: como eu gostaria de me lembrar daqui a um tempo, em um futuro distante? Gosto de analisar assim. Vou sentir orgulho de mim? Vou me arrepender? Vou dizer: como eu era louca meu deus! Eai, o que vou me dizer? O que hoje digo para a menina que fui? Eu mudaria qual parte do passado, se eu pudesse? Porque você sabe, a vida vai em círculos.

Vai. Uma voz me diz. Talvez vinda do futuro. Talvez um eco do passado. Vai. Esse medo é guia, como um cego que tateia a escuridão, descobrindo os contornos, traçando um caminho. Indo.

 

O Velho e o Moço – Los Hermanos

Anúncios