Maneira

Há tempos li um trecho que muito me marcou, talvez de Luft, já não me lembro, que dizia: “Era tão bom estar com ela, porque era leve, e era leve que eu me sentia”. Uma menina falando de sua avó. Disso eu me lembro. Achei tão profundo isso. Por ser raro. Tão raro encontrar essa sensação ao lado de alguém. E é isso que hoje a concepção de bem-estar me arremete: leveza. E eu me aproprio desta definição exatamente ao me lembrar de minha vó; de quando eu era criança e a minha companhia favorita era ela. Lembro-me fortemente de nós duas sentadas no chão de taco de sua casa brincando de “casinha”, e o que me trás essa lembrança é a sensação única que eu sentia: formigamento. Meu corpo todo formigava, como uma perna dormente que já não se sente, que já não pesa. Eu parecia flutuar. Depois que cresci, eu só consegui presenciar esta sensação novamente meditando, em poucas vezes. Nunca mais senti isso através de outro alguém, de outra presença. Essa segurança, esse aconchego, essa leveza. Na verdade, a minha avó sempre fora a precursora de meus sentimentos. Foi com ela, e para ela, que eu disse o meu primeiro e quase único “eu te amo”. Foi com ela, e só com ela, que eu já muito crescida chorei largada em seus braços, naquela cena bem clichê, mas que parece só existir em livros e filmes; ela ali, sentada na cama, abraçando-me, e eu chorando aos soluços aquele tipo de choro que não se deve chorar diante de alguém, porque assusta, porque a gente vê alguém chorando assim e fica sem saber o que fazer ou dizer. Mas ela sabia, sabia que tudo que eu precisava era daqueles braços em volta de mim, segurando-me.

Quando li aquele trecho sobre a leveza, eu imediatamente pensei: eu sou leve? Porque antes de querer que assim me sejam, eu preciso assim ser. Sem dúvidas respondi: não. Acho que sou tudo, menos leve. Mas eu quero ser. Urgentemente quero. Importante frisar que leveza não é a falta de problemas, mas a maneira de se lidar com eles. Lembrei agora de outra cena. Eu estava na longa fila da Caixa Econômica Federal para sacar o fundo de garantia, na minha frente havia uma família: pai, mãe e o filhinho que devia ter uns 8 anos. O pai em certo momento disse ao menino: – E essas unhas aí hein guri? Que coisa feia! Olha como estão sujas! – Mas precisa falar alto pai?! – Precisa sim! Porco! Poooorco! Senhoras e Senhores aqui tem um poooorco! – O pai já falava rindo, e o menino também muito ria, assim como a mãe. Eu também sorria, fascinada em como aquele sermão se transformava em diversão; em leveza.

Hoje, mais do que nunca, eu quero ser uma pessoa melhor; melhor para mim e para os meus. E quando penso em uma maneira para conseguir alcançar isso, é, sem dúvidas, essa leveza que me guia.

 

I just wanted to make you something beautiful – Industries of the Blind

Anúncios